Get Adobe Flash player
Home Notícias

Notícias

Pesquisa mostra cenário favorável a Osmar Dias, avalia deputado Luersen

alt

 

O líder do PDT na Assembleia Legislativa, deputado estadual Nelson Luersen, avaliou como positivo para a pré-candidatura ao governo do ex-senador Osmar Dias (PDT), o cenário revelado pelo levantamento da Paraná Pesquisas sobre a sucessão no Estado, divulgado no último final de semana.  De acordo com o instituto, dependendo da lista de candidatos, Osmar aparece com 24,7% a 34,2% das intenções de voto para governador, tecnicamente empatado com o secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano, Ratinho Júnior (PSC) e o senador Roberto Requião (PMDB), já que a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, e à frente da vice-governadora Cida Borghetti (PP). Além disso, Osmar tem o menor índice de rejeição entre todos os candidatos, o que significa que sua pré-candidatura teria o maior potencial de crescimento na disputa.

Luersen destaca que ao contrário dos demais pré-candidatos, Osmar está fora da política há sete anos, tendo nesse período ocupado a vice-presidência de Agronegócio do Banco do Brasil. Mesmo assim, permanece sendo lembrado pelo eleitor paranaense como um dos nomes mais fortes para a eleição de governador. “Mesmo sendo um momento difícil para esse tipo de pesquisa, em virtude do descrédito que atinge o mundo político em geral, o levantamento serve para balizar as lideranças do Estado. E nesse momento estamos observando, como mostra a pesquisa, quatro lideranças que hoje teriam condições de competitividade na disputa para o governo: o deputado e secretário Ratinho Júnior, o ex-senador Osmar Dias, o senador Requião, e a vice-governadora Cida Borghetti”, analisa o líder do PDT.

O deputado lembra que Ratinho Jr tem uma grande exposição na mídia por ocupar o cargo de secretário de Estado, e manter relacionamento institucional com prefeitos e vereadores dos municípios paranaenses. E Requião - que tem um longo histórico político no Paraná - disputou as duas últimas eleições estaduais, além de ter uma forte atuação no Senado, também com exposição diária na mídia. A vice-governadora – que vem de uma família tradicional de políticos, com o marido, Ricardo Barros (PP), ministro da Saúde – tem a perspectiva de assumir o governo no ano que vem, com a possível renúncia do governador Beto Richa (PSDB) para disputar o Senado.

 

“Já o ex-senador Osmar Dias, que prestou um grande serviço ao Paraná como secretário de Agricultura e também no Senado por 16 anos, está afastado do cenário político há sete anos. Nesse período, foi vice-presidente do Banco do Brasil, ajudando e muito o agronegócio brasileiro. E a pesquisa mostra que mesmo assim ele está tecnicamente empatado com os demais, além de ter a menor rejeição”, assinala Luersen. “Na nossa avaliação, a pesquisa mostra que a população paranaense vê em Osmar um nome capaz de dar um novo rumo ao Paraná a partir de 2019”, afirma o deputado. 

Comissão de Ecologia, Meio Ambiente e Proteção aos Animais da Assembleia aprova a construção de novas hidroelétricas

alt

O Deputado Nelson Luersen e demais membros da comissão, estiveram reunidos no dia de ontem (04/07), para aprovar o PL 209/2017. O projeto autoriza a construção de pequenas centrais hidrelétrica (PCH) e centrais geradoras hidrelétricas (CGH), no total serão 18 novos empreendimentos no Estado do Paraná.

A grande vantagem destes empreendimentos é o baixo impacto ambiental, gerando energia limpa e renovável. Por serem menores, essas centrais de energia causam um dano ambiental reduzido, pois não alagam grandes áreas, preservando o habitat natural das espécies que vivem nas proximidades.

O projeto ainda deve seguir para apreciação no plenário da Assembleia Legislativa do Paraná. 

Deputado Luersen questiona novo reajuste das tarifas da Sanepar

altalt

   O líder da bancada do PDT na Assembleia Legislativa, deputado Nelson Luersen, subscreveu documento elaborado por deputados do bloco independente e da bancada de oposição da Assembleia, que pede ao Procon uma investigação sobre o recente aumento de 8,53% das tarifas de água cobradas pela Sanepar, com autorização da Agência Reguladora do Paraná (Agepar). O reajuste é parte de um índice de 25,63%, que deve ser aplicado em oito anos. O aumento em junho é apenas a primeira parcela. As demais serão anuais, de 2,11%, acrescidas de correção monetária no período, com base na taxa Selic.

 

   “Lamentavelmente, os governos parecem ter perdido o bom senso e a compostura. Tanto os consumidores residenciais quanto as empresas já vivem uma situação de penúria em virtude da crise. E mesmo assim, esses aumentos continuam sendo autorizados apenas para satisfazer interesses de investidores privados, em detrimento da população e da economia do Estado”, critica ele, que cita ainda o recente aumento de até 13,55% para os planos de saúde autorizados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). “Por conta disso, muitas pessoas estão sendo obrigadas a abandonar os planos de saúde, agravando ainda mais os problemas do sistema público de saúde, já sobrecarregado”, observa o deputado. 

Deputado Luersen é contra o aumento das tarifas do pedágio na BR-277

alt

   

   O líder da bancada do PDT na Assembleia Legislativa, deputado estadual Nelson Luersen, manifestou preocupação com as informações de que as tarifas do pedágio operadas pela concessionária Ecocataratas podem ter um aumento de mais de 30% até 2018, sob a justificativa de custear algumas obras na BR-277, entre os Trevos Cataratas e Guarapuava, terceiras faixas em 25 quilômetros de trechos alternados entre Cascavel e Candoi, e as alças de acesso ao viaduto do Jardim Presidente em Cascavel, na região Oeste. A alta valeria para cinco praças de pedágios da concessionária, entre Foz do Iguaçu e Guarapuava.

   De acordo com essas informações, a tarifa neste ano saltaria de R$12,20 para R$14,03, e em 2018 iria para R$ 16,13. “A obra do Trevo das Cataratas em Cascavel e as demais são extremamente necessárias e já deveriam ter sido realizadas, conforme os contratos originais. Infelizmente aditivos contratuais como a Ata 17 retiraram as obras e os preços das tarifas foram recompostos nos anos seguintes. Mas não dá para admitir esse aumento absurdo, de mais de 30%, quando temos uma inflação nos últimos doze meses de pouco mais de 4%. Ainda mais em um momento de crise, em que a população em geral e o setor produtivo já enfrentam imensas dificuldades”, criticou Luersen.

   O deputado destaca que os atuais contratos de concessão do pedágio no Anel de Integração do Paraná se encerram em 2021, e não haveria sequer tempo hábil para a realização de grandes obras. “Que a União e o Estado façam uma parceria para garantir obras prioritárias de melhorias das rodovias, e as concessionárias entreguem as estradas ao final do contrato para que seja feita uma nova licitação, com pedágio de manutenção, compatível com a realidade da economia do Paraná”, defende o parlamentar.

Deputado Luersen manifesta preocupação com extinção de zonas eleitorais no interior

alt

   O líder do PDT na Assembleia Legislativa, deputado estadual Nelson Luersen, manifestou preocupação com a possibilidade de extinção de zonas eleitorais do interior do Paraná, planejada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), sob a justificativa de redução de custos. Para Luersen, a medida tem que ser estudada com muito cuidado, para que não prejudique os eleitores das comunidades atingidas, dificultando o acesso aos serviços da Justiça Eleitoral.

   De acordo com estimativas, 102 das 206 zonas eleitorais do Paraná podem ser extintas com base em um quociente eleitoral que leva em conta a extensão territorial e a densidade populacional dos municípios onde elas estão instaladas. Com isso, eleitores dos municípios atingidos poderão ter que se deslocar por grandes distâncias para ter acesso aos serviços da Justiça Eleitoral, como cadastramento, transferência de domicílio eleitoral e regularização do título de eleitor, entre outros.

   O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE/PR) e entidades como a Associação dos Magistrados do Paraná (Amapar), já se manifestaram publicamente contra a medida. Nesta quarta-feira (21/06), a Assembleia promove uma audiência pública para discutir o assunto.

   “A nossa preocupação é que essas medidas sejam discutidas amplamente, avaliando as peculiaridades de cada município, para que os eleitores, principalmente do interior, não corram o risco de ficarem ainda mais isolados, distanciados da Justiça Eleitoral, dificultando que eles possam estar em dia com suas obrigações eleitorais”, pondera Luersen, lembrando que a falta de regularidade junto a Justiça Eleitoral traz uma série de sanções, como impedimento para emissão de passaporte ou carteira de identidade; acesso a crédito em instituições financeiras públicas, e inscrição em concursos públicos.

   O deputado destaca ainda que os fóruns eleitorais garantem não só o acesso do cidadão a esses serviços, mas também são responsáveis pela fiscalização das eleições e campanhas. “No momento em que o País vive um processo de moralização do sistema político, o fechamento desses fóruns eleitorais pode prejudicar essa fiscalização, o que seria um retrocesso”, considera o parlamentar.

Mais Artigos...