Get Adobe Flash player
Home Notícias

Notícias

Pesquisa em Curitiba mostra que pré-candidatura de Osmar Dias ao governo tem base sólida, diz Luersen

altalt

    O líder do PDT na Assembléia Legislativa, deputado estadual Nelson Luersen, considerou muito positivo o resultado do levantamento do instituto Paraná Pesquisas, divulgado na última quinta-feira (08/03), que aponta empate técnico entre o secretário de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Júnior (PSD), o senador Roberto Requião (PMDB) e o ex-senador Osmar Dias (PDT), nas intenções de voto em Curitiba na eleição para o governo do Estado de 2018 “O resultado é extremamente favorável ao ex-senador Osmar Dias, já que ao contrário de Ratinho Jr e Requião, ele está afastado da política há sete anos, tendo disputado a última eleição em 2010, e mesmo assim ainda é muito lembrado pelo eleitor curitibano”, avalia Luersen. O deputado observa que Ratinho, além de ser secretário de Estado, foi o deputado estadual mais votado na eleição de 2014, e atuou diretamente no segundo turno da eleição municipal do ano passado na Capital, apoiando a candidatura a prefeito do deputado Ney Leprevost (PSD). Já Requião, além de ter sido governador por três vezes, está no terceiro mandato como senador e disputou a última eleição para o governo em 2014.
     “O ex-senador Osmar Dias, ao contrário, está afastado da política, cuidando de sua vida pessoal e da organização do PDT do Paraná. Enquanto isso, por possuírem mandatos, tanto o deputado Ratinho Jr como o senador Requião estão com uma grande exposição diária na mídia. Mesmo assim, Osmar mantém um excelente conceito entre a população curitibana, por sua trajetória irretocável de homem público experiente e pela postura equilibrada. Apesar de estar fora da mídia, ele é reconhecido como um dos politicos mais bem preparados do Paraná. Além disso, sabemos pelos dados que temos que o desempenho dele como pré-candidato ao governo no interior do Estado é bem melhor do que na Capital”, destaca o deputado. “Os números dessa pesquisa animam a militância do partido e simpatizantes, pois mostram que a pré-candidatura do Osmar ao governo tem uma base popular sólida, e certamente possui potencial para crescer muito à medida em que a disputa se aproximar, e o seu nome ganhar mais visibilidade entre o eleitorado” prevê Luersen.

Reunião da Comissão de Defesa do Consumidor da ALEP

 

altalt

 

    Hoje pela manhã, participei de reunião com os membros da Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná, onde tratamos com os diretores da AGEPAR, sobre o pedido de autorização que a diretoria da Sanepar fez à Agência sobre o realinhamento das tarifas de água e esgoto no Estado.

 

    A Empresa está solicitando uma reposição de 25,63% acima da inflação. Os deputados presentes foram unânimes em pedir ao diretor da Agepar, César Silvestre e ao Governo do Paraná, que não autorizem nenhum aumento ou reposição acima da inflação. Na oportunidade, lembrei aos presentes que nos últimos seis anos já houve majoração acima da inflação nas contas de água e luz, sem contar com os aumentos do IPVA, ICMS e da ST. Aumentos estes que contribuíram para o fechamento de muitas empresas e deixando muitas outras em dificuldades financeiras. O momento é de muita cautela quanto a penalizar ainda mais a sociedade paranaense.

No Dia Internacional da Mulher, deputado Luersen defende promoção da igualdade de oportunidades

alt

 

O Dia Internacional da Mulher, comemorado anualmente em 8 de março, é uma oportunidade para que toda a sociedade reflita sobre a importância do combate à violência, ao preconceito e para o incentivo à criação de políticas públicas que promovam a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres. A opinião é do líder do PDT na Assembleia Legislativa, deputado estadual Nelson Luersen (PDT), que destaca ainda a necessidade de criação de mecanismos que garantam a ampliação da participação do público feminino na política, como instrumento de mudança e transformação social.

 

Luersen lembra que apesar dos avanços que tivemos ao longo das últimas décadas e do aumento da presença da mulher no mercado de trabalho, ela ainda é discriminada e muitas vezes recebe um salário menor, mesmo tendo capacitação e cumprindo função profissional semelhante a dos homens. Estudos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) apontam que no Brasil, os homens recebem salários aproximadamente 30% superiores aos de mulheres de mesma idade e nível de instrução.

 

“Precisamos acabar com o preconceito e a discriminação que ainda existe. E garantir às mulheres igualdade de direitos e oportunidades tanto no acesso à educação e à capacitação profissional, quanto no mercado de trabalho”, defende Luersen, destacando que segundo dados do IBGE, as mulheres são responsáveis pelo sustento de 40% das famílias brasileiras. “Esses dados mostram que garantir às mulheres os mesmos direitos significa combater as desigualdades e promover justiça social. Ainda temos muito a que caminhar nesse sentido no Brasil”, avalia o deputado.

Frente Parlamentar vai à Brasília para mobilização contra MP que prorroga o pedágio

altalt

    Deputados da Frente Parlamentar contra a Prorrogação do Pedágio da Assembleia Legislativa pretendem ir à Brasília, nos próximos dias, para promover uma mobilização contra a Medida Provisória 752/2016, editada pelo governo federal, que abre a possibilidade de renovação de concessões de rodovias. Segundo o líder do PDT na Assembleia, deputado estadual Nelson Luersen, integrante da Frente, a ideia é envolver a bancada federal do Paraná para impedir a prorrogação dos pedágios do Anel da Integração, cujos atuais contratos terminam em 2021. A Frente defende a conclusão desses contratos, com a realização das obras de duplicação previstas, e a realização de uma nova licitação, com preço justo, adequado à realidade econômica do Estado.

    Além da bancada federal, os deputados da frente pretendem também se reunir em audiência com o ministro dos Transportes, Maurício Quintella (PR) e com o relator da MP na Câmara, deputado federal paranaense Sérgio Souza (PMDB), para deixar clara a posição contrária à prorrogação dos pedágios no Estado. Luersen lembra que a Medida Provisória foi elaborada com a intenção de permitir a prorrogação de concessões de rodovias, ferrovias e portuárias da União. “O contrato de pedágio do Paraná é diferente, porque não foi a União que fez a concessão. A União delegou as rodovias ao Estado, e o Estado é que fez a concessão. Então, para hoje haver uma prorrogação, primeiro a União teria que renovar o contrato de delegação das rodovias federais com o governo do Paraná e o Estado sim trabalhar essa questão da prorrogação”, explica o parlamentar.

    O deputado também considera inviável a possibilidade do Paraná “devolver” a concessão à União para que o governo federal promovesse a prorrogação, como alguns cogitam. “O Anel de Integração envolve rodovias federais e estaduais. A ligação entre Curitiba e o Litoral do Estado, por exemplo, inclui a BR-277, que é federal, mas também as rodovias PR-508 entre Alexandra e Matinhos, PR-407 entre Praia de Leste, e as  PR's 804, 408 e 411 entre Morretes e Antonina. Não como o Paraná ‘devolver’ uma concessão de rodovia estadual, ou o governo federal promover uma prorrogação de contrato de forma desvinculada entre esses diferentes trechos”, avalia.

    Luersen reafirma que a posição da Frente é contrária à prorrogação dos pedágios no Paraná, e a principal preocupação do grupo é garantir a conclusão das obras de duplicação previstas nos contratos atuais. “Faltam menos de cinco anos para o fim desses contratos. A solução agora é pressionarmos as concessionárias façam as obras que estão faltando - e elas são muitas - e devolvam as rodovias para que seja feita uma nova licitação, com pedágio de manutenção e preço justo, condizente com as necessidades da economia do Estado”, diz ele. “Também somos contra a implantação do pedágio no Sudoeste, nos moldes em que o governo propõe, ou seja com tarifa de R$ 11,50 a cada trecho de 100 quilômetros e com obras a serem realizadas somente no futuro”, destaca.

Deputado Luersen cobra mais segurança para caminhoneiros no Porto de Paranaguá


altalt

 

    O deputado estadual Nelson Luersen (PDT) cobrou das autoridades, em discurso na tribuna da Assembleia Legislativa, mais segurança para os caminhoneiros que trabalham com carga e descarga no Porto de Paranaguá. Coordenador da Frente Parlamentar do Transporte Rodoviário, Luersen diz ter sido procurado por caminhoneiros e transportadores que atuam em Paranaguá, que relataram a ocorrência de frequentes assaltos e roubos de cargas nas vias de acesso ao Porto.

“Estamos nos aproximando de uma das maiores safras da história do Paraná. E nos últimos dias, vários caminhoneiros do Oeste e do Sudoeste entraram em contato conosco reclamando da falta de segurança em Paranaguá”, explicou o parlamentar. De acordo com Luersen, os furtos acontecem no caminho entre o pátio de triagem e os terminais de embarque, quando os caminhões muitas vezes trafegam em baixa velocidade, e os criminosos rompem as bicas das carrocerias que ficam na parte traseira dos veículos, espalhando a carga pelo asfalto. O produto então é recolhido e levado para depósitos clandestinos, de onde são revendidos ilegalmente.

    Nos últimos dias, como os caminhoneiros estão se precavendo, adotando travas para impedir a abertura das bicas de seus veículos, os assaltantes estão ficando mais agressivos e violentos. No último dia 4, dois caminhoneiros foram alvo de um assaltante armado em uma das vias de acesso ao Porto. Um dos caminhoneiros, de Santa Terezinha do Itaipu, foi baleado mesmo sem reagir, e a bala se alojou na coluna, fazendo com que ele ficasse paraplégico, segundo relatos da imprensa local.

    “Após os motoristas saírem do pátio de triagem, eles vivem uma insegurança total. Sem contar a falta de apoio por parte das empresas exportadoras e importadoras que muito lucram com o trabalho dos caminheiros, no entanto, os mesmos não têm nem aonde fazer suas necessidades fisiológicas ou tomar banho enquanto aguardam na fila”, diz Luersen.

 

    O deputado fez um apelo ao governo do Estado, e à Secretaria de Segurança Pública, além da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), para que tomem medidas urgentes para coibir essas ocorrências e oferecer mais segurança e comodidade aos caminhoneiros e transportadores. “Muitos caminhoneiros não estão mais querendo descarregar em Paranaguá por medo de assalto, roubo, violência. Pessoas que não têm certeza se vão retornar à seus lares devido à insegurança. E o Porto, que é administrado pelo governo através da APPA, precisa rever seus conceitos. A segurança pública é responsabilidade da Secretaria de Segurança, da Polícia Rodoviária que fiscaliza a BR-277 e também da prefeitura municipal. Todos têm responsabilidade pelos caminhoneiros que estão em Paranaguá trabalhando para sustentar suas famílias”, considera Luersen.

Mais Artigos...