Get Adobe Flash player
Home Notícias Membros do Sindicato de Docentes da Unioeste pedem apoio contra o corte de R$ 84 milhões nas despesas com pessoal e de 54 milhões em despesas com custeio para o orçamento do ano que vem.

Membros do Sindicato de Docentes da Unioeste pedem apoio contra o corte de R$ 84 milhões nas despesas com pessoal e de 54 milhões em despesas com custeio para o orçamento do ano que vem.

alt

    Como membro da comissão de orçamento da Assembleia Legislativa do Paraná o Deputado Nelson Luersen, recebeu a Professora Ivanete Schumann, o Professor Luiz Fernando Reis e os alunos Eloisa, Daniela e Nicolas. Que buscam apoio para manutenção dos valores destinados as Universidades Estaduais em 2017 para o orçamento do ano de 2018.

    O Governo do Estado do Paraná, apesar do aumento em sua arrecadação pertente reduzir os recursos destinados as Despesas com Pessoal e encargos Sociais das Universidades Estaduais. Em geral as universidades, UEL, UEPG, UEM, UNICENTRO, UNIOESTE, UNESPAR e UENP, segundo Proposta de Lei Orçamentária para o Exercício de 2018, terão uma diminuição de R$ 84 milhões, ou 4,40% a menos de recursos comparando-se com o previsto na Lei Orçamentária de 2017.

    Para as despesas com o custeio, a proposta orçamentaria de 2018 prevê um corte percentualmente ainda maior, chegando a 39,79% a menos de recursos do que aqueles previsto na LOA de 2017, uma perda de R$ 54 milhões.

    Juntamente com outros Deputados, Luersen apresentou duas emendas à Proposta de Lei Orçamentária com a finalidade de manter-se os valores de 2017 para despesas com pessoal, encargos pessoais e com outras despesas correntes (custeio) acrescidos de 3%, que é a inflação prevista para o ano de 2017.

    O Deputado Nelson Luersen destaca que “nos últimos anos observamos uma ampliação na estrutura e na oferta de cursos, como por exemplo, o curso de Medicina na UNIOESTE de Francisco Beltrão. No entanto os valores destinados às universidades não têm acompanhando essa evolução, não chegam alcançar os índices de inflação, deixando as universidades em situação delicada. O Governo gasta milhões em ações políticas, visando exclusivamente as eleições de 2018, no entanto deixa de se preocupar com o futuro da educação e o impacto que isso trará para o futuro do Estado, que parece desastroso se atitudes como essa não forem combatidas”.